quinta-feira, 8 de março de 2012

on ne badine pas...


Gustave Klimt, A vida e a morte, 1916


Quando ela assomou à porta do meu quarto, abri os olhos apesar do silêncio. Aproximou-se pé ante pé e quando estava já bem perto de mim, interpelei-a com um prazer desmesurado.
- Senta-te um pouco. Não precisas de ter pressa.
- Bebes?
- Em serviço, nunca.
- Que tédio! Não tem que ser um trabalho.
- É.
- Despe-te.
Ela tentou afastar-se e aproveitei para lhe retirar o véu negro, que afinal era um pano inteiro que a cobria da cabeça aos pés. E detrás da imagem estereotipada que conhecia dos livros, surgiu o corpo atraente de uma mulher de carne e osso, de pele e odor, de água e fogo. Juntamente com a túnica caiu a máscara e a voz tornou-se doce.
- Não devias ter feito isso…
- O que queres beber?
- Acho melhor não…
- Não quero fugir de nada. Mas gostava de te conhecer.
- E não me conheces, já?
- Só indiretamente. Nunca vieste buscar-me a mim.
- …
- Estou pronta. E agora que te vi, assim despida, é com prazer que te acompanho.
- Nunca ninguém me acompanha com prazer.
- Mas eu, sim.
- Estás a tentar seduzir-me…
- Não posso. És tu que me levas. És tu a predadora.
- Apenas cumpro ordens.
- (Risos) De quem?
- Eu sei que não acreditas. Não vale a pena perder tempo.
E levanta-se para vestir de novo o negro que representa o seu papel. Agarro-lhe a mão, puxo-a para mim e sobre a cambraia beijo-a nos lábios, entregando-me com prazer ao seu domínio. Ela abraça-me pela cintura e leva-me desta vida, sem a leveza da tarefa cumprida, porque a minha entrega foi tranquila.
Morri com um sorriso cúmplice.

4 comentários:

Nilson Barcelli disse...

Cheguei ao teu blogue por mero acaso.
Mas não foi por mero acaso que li muitos dos teus posts.
Fiquei encantado com tanto talento.
Voltarei, por isso.
Tem um bom fim de semana.

Ângela F. Marques disse...

Olá Nilson!

Muito obrigada. Tenho pena que esteja um bocado perdido o costume de se comentar nos blogues. Não sei se te lembras, mas já nos tínhamos encontrado antes. Ainda bem que se restabeleceu esta ponte.

Um grande abraço e bom fim de semana.

Hanaé Pais disse...

Muito interessante esta partida serena.
Se pensarmos na morte diáriamente, observamos o sol e sentimos o seu calor profundamente.
Gostei muito.

Ângela F. Marques disse...

Obrigada.