quarta-feira, 29 de junho de 2011

presente (e)terno

Isabel Mendes Ferreira

(para a IMF)

há o trigo e o joio. há o tempo chamado peneira. há as malhas que se apertam com o correr dos dias e com a invasão das rugas. em volta da garganta.
e nesse discurso da vida são cada vez mais parcas as pérolas ou rosas que merecem ficar retidas no baú que me acompanha os passos até ao derradeiro. são gotas de água, ou conchas. pode ser um aroma apenas. ou um abraço que é eterno.
é assim que vives em mim, enquanto vivo.

sexta-feira, 24 de junho de 2011

sem nome

Verushka


Quero um comboio. Ou uma estrada e um chevrolet. Sem Sintra. 
Quero um caminho sem pressas, sinuoso. Quero ir sem saber onde, quero ficar sem saber porquê. Quero não querer.
Ser, apenas. Não ter um nome. Uma língua, uma casa, uma pátria. Nem uma identidade. Nem outra. Cá e lá. Vou indo , sendo, de acordo com a direcção do vento sem responder a ninguém, poeta sem musa, Safo. A ousadia de não aceitar os verbos transitivos e negar os intransitivos.
Quero o limbo, as duas faces da folha, o instante inefável da pequena morte.
Não quero.
Nada. Ninguém.

segunda-feira, 20 de junho de 2011

a ponte


teimo até à
última gota de sangue
para encontrar-me
só e vária
alheia a toda a
espécie de outros
possessivos que
me rasgam os olhos.

entre mim e o limite
a ponte
é de palavras suculentas.

quarta-feira, 15 de junho de 2011

Instante

Marjolaine Clermont



são mesmos os passos
ou as mesmas calçadas
que percorro hoje?

procuro um cheiro
agridoce uma anca
de cor uma pretidão
entranhada nos
olhos
e a memória diz-me
que é efémero
até o registo do
beijo.

um dia lembrarei
fugazmente
cada passo em cada calçada
com o cheiro
que me preencheu a vida.


nunca são mesmos os passos.

sábado, 11 de junho de 2011

intransitiva

Edward Hopper


Escrevo intransitiva
na curva que desce
até à praia alagada
no sol dos dias passados
entre copos e erva
numa dança errante
sem chão nem portas.

Estou só tranquila
agora que bebo uma tisana
repleta de desertos
e histórias apenas
contadas sem vozes
histriónicas
a ofenderem-me
esta alma polifónica
estendida de seda
sobre a cama vazia.

Escrevo intransitiva
na curva que desce
até à praia e mergulho
no mar.



sexta-feira, 10 de junho de 2011